.posts recentes

. Aconteceu esta semana (28...

. Previsões para 2008

. Confirmado!

. Michelle e Gastão convida...

. Bilhetes para o Estoril O...

. Vindo do nada, ele tudo l...

. Breves da última semana

. Federer no Estoril Open'0...

. Gil de volta às boas pres...

. #3 - Que é feito de...Mar...

.arquivos

. Abril 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

.pesquisar

 

.links

Segunda-feira, 4 de Fevereiro de 2008

Aconteceu esta semana (28.01 a 04.02)


Da esquerda para a direita: Magali de Lattre, Neuza Silva e Maria João Koehler. A estas juntou-se Ana Catarina Nogueira para completar o conjunto de atletas que defendeu as cores lusas na Fed Cup.

Portugal foi despromovido ao Grupo II da zona Euro-Africana da Fed Cup. Na poule realizada em Budapeste, que contava com a participação de Ana Ivanovic, Jelena Jankovic, Agnes Szavay, Patty Schnyder, Agnieszka Radwanska e Caroline Wozniacki, tenistas do top-50 do ranking WTA, a selecção nacional conseguiu escapar a todas elas. Em sorte sairam-nos Bulgária, Holanda e Luxemburgo, num sorteio "amigo".
Ainda assim, Neuza Silva e companhia não foram capazes de vencer um único encontro em toda a primeira fase, quedando-se pela última posição do grupo.
Depois, na última oportunidade de manutenção no Grupo I, cabia à selecção das quinas defrontar a Grã-Bretanha, em mais uma dura prova.
Nova derrota, por 0-2 (o par não se realizou), e consequente descida ao Grupo II.
Fraca prestação das pupilas de Pedro Cordeiro, que, em jeito de rescaldo, elogiou a atitude de Ana Catarina Nogueira ao longo de toda a prova e afiançou que Portugal tem equipa para regressar à terceira divisão do ténis mundial a curto prazo.
Como era esperado, Sérvia e Suíça garantiram a subida ao II Grupo Mundial e a Geórgia, para além de Portugal, foi despromovida.

Gonzalez venceu o título em Viña del Mar sem ter necessitado de jogar a final

O chileno Fernando Gonzalez venceu em Viña del Mar, no seu próprio país, o primeiro título da temporada.
Antes de disputar a partida das meias-finais, já Gonzalez sabia que a vitória nesse encontro o levaria à conquista do ceptro, devido à lesão contraída pelo outro finalista, o argentino Juan Monaco, na final da variante de pares.
Num jogo emocionante, "Fena" levou de vencida o uruguaio Pablo Cuevas, por 6-7(4), 7-6(6) e 6-2, tendo salvado 2 match-points a 6-5 no segundo set.
Cuevas disputou em Viña del Mar o seu primeiro torneio de nível ATP, não se saindo nada mal, portanto. Faltou apenas um bocadinho para ser a estreia perfeita...

Foto www.tribuneindia.com

O tenista sueco Joachim Johansson anunciou a retirada definitiva do circuito professional masculino.
Johansson foi considerado uma das maiores esperanças da década para o ténis sueco, mas viu a sua carreira ser fustigada por inúmeras lesões.
"Pim-pim", nome pelo qual é conhecido, chegou a atingir a nona posição do ranking mundial em 2005, num ano em que venceu dois títulos -Adelaide e Marselha- logo nos dois primeiros meses da temporada e estabeleceu a melhor marca de ases num só encontro (51), entretanto igualada por Ivo Karlovic.

Foto AFP

João Lagos confirmou a presença de Nikolay Davydenko no Estoril Open'08. O russo junta-se, assim, a Roger Federer naquele que será, sem dúvida, o mais forte torneio de sempre. Por ora, estão garantidos dois top-4 do ranking mundial...aguardemos para ver que surpresas mais nos reserva o empresário português.

Foto AFP

Rússia, EUA, China e Espanha apuraram-se para as meias-finais do Grupo Mundial da Fed Cup.
As russas foram a Israel bater a selecção local, por 4-1, com Maria Sharapova em grande destaque.
Por seu lado, a selecção americana, que tinha uma tarefa previsivelmente fácil, suou um pouco do que o esperado, com a vitória sobre a Alemanha (4-1) a surgir apenas no último dia (ontem, por causa das chuvas), através do Ashley Harkleroad.
Já a China foi a grande confirmação, ao bater uma desfalcada França (nem Golovin, nem Mauresmo, nem Bartoli participaram), por 3-2, com a dramática vitória a ser consumada no decisivo encontro de pares.
Por fim, as espanholas conseguiram uma fantástica vitória em Nápoles, muito por culpa das excelentes exibições de Anabel Medina-Garrigues e da desinspiração de Francesca Schiavone. 3-2 foi o resultado final, mas os dois últimos encontros, que deram em vitória das italianas, serviram apenas para cumprir calendário.

publicado por Morais às 23:17
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 2 de Janeiro de 2008

Previsões para 2008


Foto joaolagossports.com

Na sequência do artigo publicado no "Jornal do Ténis", da autoria de Miguel Seabra, do qual tomei conhecimento através do fórum LusoTénis, decidi-me a responder também eu às perguntas feitas no "Tototénis 2008" -como o designa o autor-, que abordam algumas das grandes questões para a temporada tenística de 2008. Então, cá vai...


1. Conseguirão o país e a imprensa generalista aperceber-se realmente da importância da presença no Estoril Open de Roger Federer, uma lenda viva do desporto que já está à altura de mitos como Michael Jordan, Muhammed Ali ou Pelé?

1 (Sim)! Se há coisa que não falta ao país e à imprensa é entusiasmo por ocasião destes grandes eventos. É certo que estamos a falar de ténis e não de futebol, mas, se bem me recordo, nem o país nem a imprensa generalista passaram ao lado da Masters Cup de 2000, sendo que as pessoas acorreram em grande número ao Pavilhão Atlântico e a imprensa escrita dedicou várias páginas a cada dia do torneio.



2. Conseguirá ser gerida da melhor maneira a complicada sobreposição da eliminatória da Taça Davis face à Tunísia e o qualifying do Estoril Open?

2 (Não)! De maneira alguma isto poderá terminar como todos querem. A eliminatória da Taça Davis é muito importante e, certamente, prioritária, mas tenistas como Leonardo Tavares e Rui Machado vão, provavelmente, ficar de fora da próxima edição do Estoril Open, por não existirem wild-cards para todos.



3. Conseguirá a Federação Portuguesa de Ténis eleger um novo Director Técnico Nacional que seja mais unânime e menos polémico do que o anterior?

1 (Sim)! Independentemente das escolhas feitas, não é difícil ser menos polémico e mais unânime que Paulo Lucas, que, enquanto ocupou o cargo de DTN, esteve envolvido em assuntos que em nada prestigiam o ténis nacional.



4. Conseguirá Leonardo Tavares finalmente registar resultados dinos do seu potencial e juntar-se a Frederico Gil no top 200?

2 (Não)! Ao top-200 não me parece que Leonardo possa chegar. Tem potencial tenístico, sem dúvida, mas precisa de alguma estabilidade emocional e que as lesões não o afectem tanto como até agora. Talvez possa chegar ao top-300, mas sem se aproximar dos 200 primeiros postos do ranking. Espero enganar-me redondamente.



5. Conseguirão Michelle Brito e Gastão Elias manter o trajecto ancensional na transição em full-time para o circuito profissional?

X (Talvez). Depende aqui dos objectivos a que se propuserem e das expectativas que se criarem em torno deles. Serão certamente altos, mas há que ter em conta que, nesta primeira época mais a sério (a tempo inteiro), as dificuldades vão ser grandes. Exigência sim, mas com moderação.



6. Conseguirá Roger Federer ganhar finalmente Roland Garros e bater o recorde de títulos do Grand Slam?

X (Talvez). Começando por Roland Garros, é óbvio que tal dependerá do percurso de Nadal, o único rival a uma altura manifestamente superior em pisos de terra batida. Se este estiver efectivamente lesionado -como anunciou o seu tio- e não lhe correr de feição a temporada no pó-de-tijolo, então, Federer poderá ter uma chance. Caso contrário, duvido mesmo muito.
Em relação ao recorde de Pete Sampras em títulos do Grand Slam, estou em crer que igualará o mesmo, sem contudo, por ora, conseguir superá-lo. Na sequência do que antes disse, Roland Garros deve ser para Nadal e acredito numa surpresa em qualquer um dos outros três.



7. Conseguirá Justine Hénin tornar-se na tenista com mais títulos do Grand Slam em actividade?

1 (Sim)! Creio que só uma lesão ou uma época desastrosa poderão impedir Henin de bater o recorde de 8 títulos do Grand Slam que é pertença de Serena Williams (Henin tem 7). A belga é tão mais superior e versátil que as demais que dificilmente muitas lhe baterão o pé em 2008.



8. Conseguirá Rafael Nadal travar a deterioração da sua condição física e consequente baixa no ranking?

1 (Sim)! Uma pergunta de resposta difícil. Rafael Nadal tem um jogo muito baseado na parte física. Não é uma arma exclusiva, ou estaria longe dos lugares de topo, mas é fundamental para o seu estilo de jogo, assente na grande capacidade defensiva. Ou está efectivamente com graves problemas físicos, ou então terá apenas mais uma época como qualquer outra neste capítulo e manter-se-á em lugares cimeiros. Chegará ao fim cansado, como qualquer outro, mas pronto para 2009.



9. Conseguirão os melhores tenistas mundiais lidar com a realização do torneio olímpico numa altura complicada do calendário?

1 (Sim)! Independentemente da tradição que tem no âmbito do ténis, um torneio olímpico é sempre uma competição que todos sonham ganhar. Nadal já apontou baterias para Pequim e Federer quererá certamente ganhar o torneio para completar ainda mais o seu recheado currículo. Djokovic jogará muito pelo orgulho em representar a sérvia e com muitos outros o mesmo se passará. Se isso vai prejudicar o resto da temporada? Não sei ao certo...mas penso que não. Para esse efeito, será apenas mais um torneio no calendário preenchido de cada um...



10. Conseguirão a húngara Agnes Szavay e o letão Ernests Gulbis ser as grandes surpresas da próxima época?

X (Talvez). Este resulta de um sim e de um não. Apesar dos primeiros resultados da época apontarem numa direcção oposta, creio que Gulbis não será ainda "a revelação" e que Szavay poderá fazer muitos estragos durante a época.
Penso que é inegável que o circuito masculino é bem mais exigente do ponto de vista da afirmação de jogadores novos e ainda faltará qualquer coisa a Gulbis para ter um época regular, entre os melhores; por outro lado, Szavay parece ter as condições reunidas para atingir, talvez, o top-10 do ranking feminino: ténis fácil, agressivo e consistente.


Se quiserem apresentar as vossas, terei muito gosto em publicá-las aqui. E, mais tarde, prestarei contas ao que hoje escrevi...


publicado por Morais às 14:06
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 21 de Dezembro de 2007

Confirmado!



De eventual presença a presença confirmada foi um instante. A notícia inicialmente veiculada dava conta apenas da forte possibilidade de Gastão Elias e Michelle Brito, duas das maiores esperanças do ténis nacional, marcarem presença na próxima edição do Estoril Open, mas, já hoje, ficou oficializada a vinda dos dois tenistas a Portugal, eles que estão radicados nos EUA e por lá passam grande parte do ano.

Mais uma excelente notícia para um dos maiores eventos desportivos realizados no nosso país, que, na próxima época, deverá atingir picos de mediatismo nunca antes vistos.


publicado por Morais às 15:05
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 20 de Dezembro de 2007

Michelle e Gastão convidados para o Estoril Open

Foto juniortennis.comFoto juniortennis.com

Como se já não bastasse a vinda de Roger Federer à edição de 2008 do Estoril Open, a João Lagos Sports endereçou ainda convites às duas maiores esperanças do ténis nacional, Gastão Elias e Michelle Brito, para o certame que se realiza de 12 a 20 de Abril do próximo ano, adicionando, potencialmente, mais dois motivos para uma deslocação massiva de adeptos da modalidade aos courts do Jamor.

Caso se confirme a vinda de Gastão e Michelle, torna-se ainda mais imprescindível um aumento da capacidade do court central do complexo de ténis do Jamor, talvez para os 8000 lugares, como sugeriu, ontem, o Secretário de Estado do Desporto, Laurentino Dias.

Sinais positivos para o evento, que atravessa uma fase conturbada da sua existência.

 

publicado por Morais às 19:38
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 12 de Dezembro de 2007

Bilhetes para o Estoril Open já à venda

Estão já à venda bilhetes para a edição de 2008 do maior evento tenístico português, o Estoril Open, que contará com a presença do actual nº1 mundial, Roger Federer. Toda a informação aqui.

 

publicado por Morais às 11:29
link do post | comentar | ver comentários (5) | favorito
Segunda-feira, 22 de Outubro de 2007

Vindo do nada, ele tudo levou

David Nalbandian sagrou-se hoje vencedor do Mutua Madrileña Masters Madrid, o penúltimo Masters Series da temporada no circuito ATP. O tenista argentino assinou exibições verdadeiramente brilhantes ao longo de toda a semana, tendo hoje colocado a cereja no topo do bolo, ao derrotar o suíço Roger Federer, na final do evento espanhol.

Num jogo que se antevia bem disputado, face à forma que Nalbandian vinha demonstrando, Federer entrou disposto a resolver as coisas a seu favor e cedo se adiantou no marcador. Dois breaks e 28 minutos depois, o suíço conquistava o primeiro parcial por 6-1 e parecia bem encaminhado para o 52º título da sua carreira.

No entanto, o Nalbandian que víramos nos encontros frente a Rafael Nadal e Novak Djokovic apareceu logo no despontar da segunda partida. O tenista das pampas quebrou o saque do seu credenciado oponente no segundo jogo do set e soube depois gerir muito bem as operações, vencendo esse parcial por 6-3, em grande parte devido ao seu fantástico primeiro serviço e ao reduzido número de erros não forçados.

No parcial decisivo, Federer voltou a deixar-se surpreender nos primeiros jogos e não mais foi capaz de inverter a tendência do jogo, acabando vergado à maior inspiração de Nalbandian, que acabou por ser um justíssimo vencedor.

Este que foi o primeiro título do argentino desde a vitória na edição de 2006 do Estoril Open e apenas o sexto da sua carreira permiti-lhe alimentar ainda a remota esperança de qualificar-se para a Tennis Masters Cup, a relizar em Xangai.

 

p.s.: artigo retirado do site Livre Indirecto

 

publicado por Morais às 00:00
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quarta-feira, 10 de Outubro de 2007

Breves da última semana

Foto Altair Models S.A.

Estoril Open - Ficámos a saber, na passada quinta-feira, que nem todas as novidades relativas ao Estoril Open são boas. Depois da bomba que foi a confirmação da vinda de Roger Federer ao nosso país, para disputar a edição de 2007 do maior evento tenístico do nosso país, eis que surge um duro rombo às aspirações de crescimento do torneio. 

A ATP divulgou uma parte do plano de modernização do circuito masculino de 2009 e o Estoril Open falhou o se grande objectivo, que passava por ficar inserido na categoria dos chamados eventos "500" -que devem o seu nome precisamente aos pontos que atribuem aos vencedores-, passando a ocupar um plano muito secundário no calendário mundial.

Perde João Lagos, perde o país e perdemos nós, os amantes do ténis, que dificilmente veremos, nos próximos anos, jogadores de top-10 a actuar em solo português.

E o motivo para a "desclassificação" do evento português é bem evidente: a falta de infraestruturas. É caso para perguntar aos governantes e autarcas do nosso país: percebem agora a importância das instalações definitivas?

 

Karlovic à bomba - Ainda na quinta-feira, Ivo Karlovic tornou-se apenas no quarto jogador desde 1991 -ano em que a ATP passou a coleccionar estatísticas sobre a matéria- a ultrapassar a barreira dos 1000 ases numa só época. Tal aconteceu no encontro dos quartos-de-final do torneio de Tóquio, frente ao australiano Lleyton Hewitt. Karlovic "disparou" 25 ases e passou a contar com 1019 esta temporada, um registo que é apenas batido pelos quatro de Goran Ivanisevic, que, aliás, detém o máximo de ases num só época: 1477! A melhor média de serviços directos por jogo, essa, é mesmo posse de Karlovic, cifrando-se nos 20.4. Notável!

                          

------------------------------------------------------------------------------------------

RICOH ATP MatchFacts - 1,000 Aces Club # (Since 1991)

 

Ano                    Jogador                              Nº de Ases     Média/jogo

2007---->Ivo Karlovic (CRO)                1,029               20.4

2004---->Andy Roddick (USA)                1,019               12.5

1998---->Goran Ivanisevic (CRO)          1,065               15.0

1997---->Goran Ivanisevic (CRO)          1,048               14.8

1996---->Goran Ivanisevic (CRO)        1,477               15.4

1994---->Goran Ivanisevic (CRO)           1,169               13.8

1993---->Pete Sampras (USA)                1,011               10.8

------------------------------------------------------------------------------------------

 

Borg-McEnroe - O sueco e o norte-americano reavivaram uma das mais espectaculares rivalidades do ténis da Era moderna.

Na passada sexta-feira, no torneio de Eindhoven, inserido no circuito mundial de veteranos, Borg e McEnroe voltaram a enfrentar-se, cerca de 26 anos depois do último encontro entre ambos, na final do US Open'81.Tal como nessa partida, McEnroe voltou a levar a melhor, desta feita em dois renhidos tie-breaks: 8-6 e 7-4. O jogo fez as delícias do público presente, que aplaudiu entusiasticamente ambos os intervenientes durante todo o encontro, rendendo uma justa homenagem a estas duas lendas vivas do ténis mundial.

Para gáudio dos fãs da modalidade, mais desafios como este estão previstos para os próximos tempos, agora que Borg regressou ao Black Rock Tour of Champions e McEnroe está para durar.

 

Leonardo Tavares - O tenista português surpreendeu pela positiva, ao vencer o Porto Open, evento da categoria future dotado com 15000$ em prémios monetários. Num torneio recheado de bons valores do ténis mundial (quatro top-400 estiveram presentes), Leonardo Tavares  esteve sempre à altura dos acontecimentos, conquistando, no passado Domingo, o seu primeiro título internacional da carreira. Curiosamente, tal feito foi conseguido à custa do mesmo tenista que o tinha parado na única final que disputara até então (num 10000$ na Bolívia): Cristian Villagran.

Segue-se, agora, o Solverde Tennis Cup, mais um evento future, que se disputa em Espinho, terra natal do tenista português. Espera-se mais uma boa prestação que lhe valha nova subida num ranking mundial em que passou a figurar na 530ª posição, subindo 135 lugares.

Ainda no Porto Open, mas no sector feminino, Catarina Ferreira esteve também em destaque. A tenista portuguesa atingiu a final do evento, acabando por sucumbir frente à mais cotada tenista checa Katerina Vankova, nº 401 mundial.

 

A escalada de Safin - Marat Safin resolveu aproveitar uma paragem forçada, por lesão, para tentar escalar a sexta montanha mais alta do planeta: Cho-Oyu, na fronteira do Nepal com o Tibete. No entanto, ao fim de menos de duas semanas (das 4 que dura a subida ao cume da montanha), Safin resolveu abortar a aventura, optando por regressar mais cedo do que o previsto aos courts de ténis, nos quais tem feito pouco furor ultimamente. Esperemos que os ares da montanha lhe tenham revigorado a alma e que regresse ao ténis que outrora exibia.

 

publicado por Morais às 23:58
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 20 de Setembro de 2007

Federer no Estoril Open'08

Foi a grande "bomba" da semana tenística, pelo menos no panorama nacional. Graças a João Lagos e à sua equipa, o sonho de trazer Roger Federer a Portugal, para actuar no Estoril Open'08, tornou-se realidade, conferindo, assim, uma nova dimensão à 19ª edição do evento português, sobretudo aos olhos das entidades governamentais, que tantos entraves têm colocado ao natural crescimento do maior torneio de ténis realizado no nosso país. 

Ao que tudo indica, o acordo terá sido fechado ainda antes do final do US Open deste ano, durante o qual se intensificaram as negociações com Roger Federer e o seu exigente staff, que já decorriam deste Junho/Julho passado. No entanto, João Lagos optou por manter sigilo sobre esta sua pequena "conquista", escolhendo o timing que mais lhe convinha para divulgá-la, provavelmente atendendo ao seu interesse em solucionar a questão da localização e da cotação do "seu" torneio, já a partir de 2008.

A nós, meros amantes da modalidade, nada mais nos interessa a não ser a possibilidade de, em Abril próximo, ver actuar ao vivo o actual incontestável nº1 do ranking mundial e um dos melhores jogadores da história do ténis.

 

publicado por Morais às 02:32
link do post | comentar | favorito
Sábado, 30 de Junho de 2007

Gil de volta às boas prestações

O português Frederico Gil está, finalmente, de volta às boas prestações em torneios challenger. Esta semana, em Reggio Emilia (35000$), já está nas meias-finais, depois de bater, consecutivamente, o qualifier belga Steve Darcis, o sérvio Viktor Troicki e o espanhol Marc Lopez, que abandonou, por lesão, o encontro dos quartos-de-final. O senhor que se segue é o francês Olivier Patience, o tal que derrotou Nikolay Davydenko no Estoril Open e forçou Novak Djokovic a cinco sets em Roland Garros. O encontro do português poderá ser acompanhado aqui, a partir das 18:30h.

Nota de realce também para um outro português. Rui Machado está de volta aos courts, após um ano a debelar uma lesão, tendo participado no future de Málaga. Em singulares, foi batido na segunda ronda, mas em pares, ao lado de Gonçalo Nicau, conquistou o título. Bom regresso de Rui Machado, que segue agora para Alicante, para participar em mais um future espanhol.

 

publicado por Morais às 14:05
link do post | comentar | favorito
Domingo, 24 de Junho de 2007

#3 - Que é feito de...Martin Verkerk

Tempo de regressarmos a esta rúbrica, dedicada a jogadores que andam desaparecidos da ribalta do tenis mundial. Talvez agora que estamos já bem dentro da temporada de relva não seja a altura mais adequada para falar de Martin Verkerk, um tenista que, apesar da sua altura e do seu magnífico serviço, nunca foi capaz de impor-se numa superfície tão rápida. No entanto, havendo tenistas bem mais ilustres para destacar nas imediações do torneio parisiense de Roland Garros, deixei este holandês para o dia que antecede Wimbledon, uma vez que o seu perfil encaixaria no dos bons jogadores de relva. Bem enganador...

Martin Verkerk tardou em aparecer no circuito mundial, fruto da sua carreira universitária, que sempre pôs à frente da carreira desportiva. Os primeiros anos como tenista profissional (é-o desde 1997), foram pautados pelos inúmeros torneios challenger que disputou, sem, contudo, obter resultados de relevo, salvo três ou quatro vitórias. Todavia, foi graças a esses torneios que começou a garantir entrada em torneios de maior gabarito, já em meados da época de 2002. Depois de alguns resultados aceitáveis, foi progredindo no ranking, até atingir o posto 84 com que iniciou o melhor ano da sua carreira: 2003. Nesse ano, vindo do nada, sagrou-se, ainda em Janeiro, vencedor do torneio de Milão, conseguindo uma incrível marca de 109 ases ao longo da semana. Mas o melhor estaria ainda para vir.

Em Abril, em Roland Garros, Verkerk esteve à beira de eliminação no encontro da segunda ronda, frente ao peruano Luís Horna, que eliminara Roger Federer na ronda anterior. O holandês esteve a perder por 5-2 no quarto set (em desvantagem por 2-1 em sets), mas conseguiu salvar três match-points e vencer numa quinta partida desse duelo incrível, para depois iniciar uma caminhada verdadeiramente espantosa -eliminou Carlos Moya e Guillermo Coria-, apenas travada por Juan Carlos Ferrero na final. Nunca antes Verkerk vencera um encontro em torneios do Grand Slam, facto que torna ainda mais memorável esse torneio parisiense de 2003.

No entanto, até ao final do ano não voltaria a sobressair da mesma maneira e, em 2004, teve uma época apenas razoável até ao torneio de Amersfoort, no seu país natal. Aí, conseguiu vencer e parecia estar a querer encaminhar a carreira, quando uma lesão arreliadora no ombro direito o atirou para fora dos courts até ao início desta temporada. A verdade é que, depois do regresso, Verkerk não logrou qualquer vitória (0-9 esta época), apesar de se encontrar no lugar 666 quando no início do presente ano era o nº1533 do ranking ATP.

Uma pena, porque fazem falta ao circuito jogadores tão empolgantes como Verkerk, cujas emoções sempre estão à flor da pele, no bom sentido da expressão.

Uma última nota, a título de curiosidade, vai para o facto do holandês ter passado pelo nosso país, para disputar o Estoril Open, em 2003. Na altura, perdeu na primeira ronda frente ao israelita Harel Levy, fazendo com que poucos se lembrem dessa sua vinda, de tão fugaz que foi.

 

Para os menos lembrados deste jogador do país das tulipas, poderão ver uma compilação dos bons momentos da sua carreira no vídeo abaixo, ou consultar a sua página na wikipédia.

 

publicado por Morais às 15:51
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 18 de Junho de 2007

Torneios da semana

Esta semana suceder-se-ão os torneios de preparação para o terceiro Grand Slam da temporada, Wimbledon, que decorrerá de 25 de Junho a 8 de Julho nos courts do All England Club.

O torneio de s'Hertogenbosch, na Holanda, é um deles e acolhe tenistas dos circuitos ATP e WTA em simultâneo, uma prática pouco comum, exclusiva de meia-dúzia de torneios, entre os quais se inclui o Estoril Open. De resto, jogar-se-ão também em Nottingham (ATP) e em Eastbourne (WTA) as últimas cartadas na melhor preparação possível para o importante evento que marca o culminar da época de relva.

Em termos de transmissão televisiva, a Eurosport e Eurosport 2 assegurarão os jogos relativos aos torneios de Eastbourne e s'Hertogenbosch, respectivamente, enquanto o torneio de Nottingham poderá ser acompanhado através do site de apostas desportivas bet365 (acesso na barra lateral).

 

publicado por Morais às 02:49
link do post | comentar | favorito
Domingo, 3 de Junho de 2007

Roland Garros - 7º dia

Sétimo dia do torneio e já se nota o aproximar da fase decisiva, porquanto tem vindo a subir a qualidade tenística e o grau de emotividade dos encontros disputados. Com efeito, os espectadores que ontem, um Sábado bem solarengo, típico de Paris, encheram o complexo de ténis de Roland Garros tiveram o privilégio de assistir a excelentes momentos de ténis, ainda que os resultados finais não tenham sido do agrado de muitos. Isto porque os três franceses que ontem se encontravam em prova foram todos eliminados.

 

  

Amélie Mauresmo                       Paul-Henri Mathieu

Olivier Patience

 

Amélie Mauresmo, Paul-Henri Mathieu e Olivier Patience caíram às mãos de Lucie Safarova, Igor Andreev e Novak Djokovic, respectivamente, ainda que com grande galhardia e deixaram a representação francesa no torneio a cargo apenas de Marion Bartoli. De Mauresmo dizer que foi afectada pela habitual síndrome do "jogar em casa", tendo cometido muitos erros frente a uma inspirada Safarova. Excelente encontro de ténis este, que a checa venceu por 6-4 e 7-6(7-3); quanto a Mathieu, esperava-se maior réplica do francês, mas este esteve muito desconcentrado, a fazer lembrar o Mathieu dos velhos tempos, alternando o muito bom (pancadas explosivas) com o péssimo (erros directos inacreditáveis); no respeitante a Patience, esteve perto de ser a surpresa do dia. Levou Djokovic a cinco sets, mas a dada altura deu a sensação de que poderia ter vencido em quatro. Faltou-lhe um pouco de calma nas alturas decisivas para dar a alegria que tanto aguardavam os franceses. Djokovic revelou fibra de campeão e venceu, mas o francês provou que não foi por acaso que derrotou Davydenko na edição deste ano do Estoril Open, depois de ter ultrapassado o qualifying. Do seu jogo, ressalta à vista a excelente esquerda a uma mão que possui, uma das mais bonitas pancadas do circuito e característica de quase todos os franceses que fazem parte dos circuitos ATP e WTA.

Melhor sorte teve o muito público espanhol, que apenas sofreu uma mini-desilusão no encontro de Oscar Hernandez, derrotado pelo surpreendente veterano sueco, Jonas Bjorkman.

 

Bjorkman e o gesto que repete após cada vítória

 

Este, aos 35 anos, tem sido a revelação da prova, não só por esta se jogar naquela que é a sua superfície menos querida -prefere as mais rápidas-, mas também porque tem revelado uma excelente condição física, que já lhe permitiu recuperar por duas vezes de desvantagens de dois sets para seguir em frente. Ontem, teve uma tarefa mais facilitada, vencendo em quatro partidas. De resto, apenas David Ferrer e Albert Montañes caíram, mas às mãos de outros espanhóis, Fernando Verdasco e Rafael Nadal.  Carlos Moya seguiu em frente e até Anabel Medina-Garrigues superou a eslovaca Daniela Hantuchova, num encontro fabuloso, disputado no court 2.

 

Marcos Baghdatis

 

No outros encontros, destaque para os apuramentos de Marcos Baghdatis e Lleyton Hewitt. O cipriota tem revelado uma solidez e paciência inesperadas que, aliadas ao seu virtuosismo técnico, lhe têm permitido somar vitórias e o fazem sonhar com mais altos voos; o australiano derrotou o sempre difícil finlandês Jarkko Nieminen e tem confronto agendado com o espanhol Rafael Nadal, na próxima ronda. Do lado feminino, as outras principais favoritas seguiram em frente, com destaque para Ana Ivanovic, Svetlana Kuznetsova e Maria Sharapova. Todos os tenistas atrás referidos (dos que lograram apurar-se) garantiram presença nos oitavos-de-final do torneio, uma vez que ontem foi uma jornada sem qualquer encontro para recuperar.

Para amanhã (hoje) são vários os encontros aguardados com expectativa, entre eles o que envolve a portuguesa Michelle Brito, em acção no quadro júnior do torneio. Programa do dia.

 

Resultados do dia

Singulares masculinos

Singulares femininos

 

publicado por Morais às 13:58
link do post | comentar | favorito

.Visitas

blogs SAPO