Porto

.posts recentes

. O primeiro de "Nole"

. Passing-shots

. Breves

. Wimbledon - Notas finais

.arquivos

. Abril 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

.pesquisar

 

.links

.Stats

Domingo, 27 de Janeiro de 2008

O primeiro de "Nole"




Novak Djokovic
sagrou-se vencedor do Open da Austrália, primeira prova do Grand Slam da temporada, ao derrotar o francês Jo-Wilfried Tsonga, por 4-6, 6-4, 6-3 e 7-6(2).

Numa final arbitrada pelo português Carlos Ramos, Djokovic até perdeu um set, algo inédito nesta quinzena, mas acabou mesmo por superar o espectacular francês em quatro partidas, num jogo de emoções fortes e com intensa participação do público que encheu as bancadas da Rod Laver Arena.

Fruto do nervosismo de ambos os intervenientes, o primeiro parcial da final de hoje começou de forma incaracterística, com troca de breaks logo nos dois primeiros jogos.

No entanto, os dois jogadores acabariam por estabilizar emocionalmente e apenas voltaríamos a ter algum "drama" na recta final do set. A servir a 4-5, Djokovic facilitou, deixando Tsonga chegar aos 0-30 e, depois de uma boa recuperação até aos 30-30, viu o francês conseguir dois pontos verdadeiramente espectaculares e selar o triunfo nessa primeira partida, levando ao rubro a esmagadora maioria dos adeptos que presenciaram este embate.


A verdade é que, a partir de então, "Nole" não mais foi o mesmo, como que parecendo ter finalmente acordado. Muito consistente a servir, o sérvio soltou-se e começou a alternar direitas potentíssimas com bolas "spinadas" e a usar a sua esquerda versátil para fazer correr e muito o francês, obrigando-o a um jogo defensivo em que não se sente à-vontade.

Resultado: 6-4 devolvido, sem enfrentar um único ponto de break e aproveitando as poucas oportunidade que, ainda assim, Tsonga lhe concedeu.

Embalado pela vitória nesse segundo set, Djokovic arrancou definitivamente para a vitória. Quebrou o serviço do oponente logo no terceiro jogo da terceira partida e voltaria a repetir a "gracinha" quando este tentava desesperadamente manter-se vivo na luta pela mesma. Estava feito o 6-3.

Por esta altura, o exuberante Tsonga parecia algo desmoralizado e adivinhava-se um fim próximo. Felizmente, tal não veio acontecer e o quarto parcial ficou marcado pela supremacia de quem servia, pelo menos até aos 5-5.

É que, no 11º jogo, jogou-se o ponto que até podia ter marcado nova viragem no encontro: Djokovic serviu a 30-40 e um vólei mal executado deixou-o "pendurado" na rede, à mercê de Tsonga. No entanto, o francês não definiu bem a jogada e permitiu que o sérvio lhe adivinhasse os intentos, esgorando-se a oportunidade.


Minutos mais tarde, "Nole" vencia o primeiro torneio do Grand Slam da sua carreira, depois de um tie-break em que saltou à vista a diferença existente entre um jogador habituado às fases decisivas dos grandes torneios e outro a disputar apenas o seu quinto evento de categoria máxima no circuito mundial masculino.

p.s.: artigo publicado nos sites Livre Indirecto e Bolamarela


publicado por Morais às 17:38
link do post | comentar | favorito
Domingo, 11 de Novembro de 2007

Passing-shots

Borg e McEnroe - Assistiu-se, em Liege, a mais um confronto entre estas duas lendas vivas do ténis mundial. Tal como acontecera em Eindhoven, há cerca de 6 semanas atrás, McEnroe voltou a levar a melhor, demonstrando ter, ainda, outro ritmo competitivo. No entanto, desta feita, o encontro só foi decidido no Super Tie-Break, com McEnroe a vencer por 10-6.

 

Carlos Ramos - Depois da final do Open da Austrália'05 e de Wimbledon'07, o árbitro português vai voltar a estar presente na final de uma grande competição: a Taça Davis. Carlos Ramos foi destacado para arbitrar o encontro que oporá os EUA à Rússia, na companhia do espanhol Enric Molina, e, aos 36 anos, é já um dos árbitros com melhor currículo a nível mundial.

 

Guillermo Coria - Finalmente, o tenista argentino está de regresso aos courts, depois de uma ausência de quase 13 meses. Mesmo sem ter, ainda, obtido resultados auspiciosos -perdeu na primeira ronda em Belo Horizonte e Assunção-, Coria mostra-se optimista em relação ao seu futuro na modalidade e promete um ano de 2008 em força. Aguardemos para ver.

 

Tommy Haas - O tenista alemão foi o protagonista da última semana. Em causa, um possível envenenamento, aquando da meia-final da Taça Davis, que opôs a Rússia à Alemanha, em Moscovo. Depois do seu compatriota, Alexander Waske, ter revelado que alguém lhe dissera que Haas havia sido envenenado, o próprio jogador veio dizer que passou muito mal a noite de Sexta-feira (21 de Setembro) e que o que teve não foi apenas um simples distúrbio gástrico. No entanto, a Federação Alemã cedo tratou de acalmar a polémica, afirmando não haver motivos que levem a crer que Tommy Haas tenha sido envenenado, pelo que esta história deve mesmo ficar por aqui.

 

Ranking mundial - Nunca antes a diferença entre Roger Federer e Rafael Nadal no ranking mundial foi tão curta. Pela primeira vez desde que Nadal atingiu a segunda posição da hierarquia que Federer domina desde 2004, os dois jogadores estão separados por uma margem inferior a 1000 pontos.

Com efeito, com a derrota precoce do suíço em Paris e a chegada do espanhol à final desse mesmo evento, o nº1 mundial passou a somar "apenas" 6530 pontos, contra os 5535 de Nadal.

Assim, o tal objectivo de chegar ao primeiro posto do South African Airways ATP Ranking em 2009, assumido por Nadal, pode mesmo vir a ser concretizado ainda no decorrer da próxima época, tudo dependendo da performance dos dois jogadores. A luta continua.

 

Alessio Di Mauro - O tenista italiano é a primeira vítima da caça aos apostadores. Esta semana, foi suspenso por 9 meses pelo ATP e condenado a pagar uma malta de mais de 40000€ por ser um apostador activo em partidas de ténis. Ainda que não se tenha provado que o italiano apostou em partidas suas, o ATP fez-se valer dos regulamentos, que proibem que qualquer jogador faça apostas desportivas e sancionou o italiano, um dos envolvidos no escândalo despoletado pelo russo Nikolay Davydenko.

 

Gastão Elias - Artigo F.P.Ténis

 

publicado por Morais às 11:13
link do post | comentar | favorito
Domingo, 9 de Setembro de 2007

Breves

Breaks - Apenas dois dias depois de se ter registado um fenómeno estranho -breaks sucessivos- para um encontro dos quartos-de-final de um Grand Slam masculino, eis que algo ainda mais estranho, na mesma linha, ocorreu nas meias-finais: 6 quebras de serviço seguidas! Curiosamente, ambos os fenómenos tiveram um denominador comum: Nikolay Davydenko. O russo e o suíço Roger Federer, no seu encontro das meias-finais, trocaram breaks em seis jogos consecutivos e o número só não subiu para 7 (pelo menos), porque Davydenko, afectado pelo complexo de inferioridade que tem para com Roger Federer, não foi capaz de aproveitar mais dois break-points nesse jogo, que eram simultaneamente set-points. Fossem eles pontos normais e a coisa não teria, certamente, ficado por ali.

 

Carlos Ramos - O juíz português continua em alta. Ainda que sem o mesmo protagonismo a que teve direito no anterior torneio do Grand Slam, Wimbledon, Carlos Ramos tem estado sempre nos grandes momentos. Arbitrou o encontro dos quartos-de-final femininos, entre Justine Henin e Serena Williams e ainda a meia-final Roger Federer vs Nikolay Davydenko, para além de muitos outros em fases mais atrasadas. Um motivo de orgulho para o ténis português.

 

publicado por Morais às 18:59
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 10 de Julho de 2007

Wimbledon - Notas finais

Duas notas ainda relativamente ao torneio de Wimbledon. A primeira diz respeito ao árbitro da final, que, por lapso, não referi. A verdade é que, uma vez mais, tivemos um árbitro português a arbitrar uma final masculina do torneio lodrino. E, para se ter uma noção da importância deste facto, refira-se que Carlos Ramos, o árbitro da final de Domingo entre Roger Federer e Rafael Nadal, foi apenas o terceiro estrangeiro a arbitrar uma final em solo britânico. Os anteriores haviam sido Jorge Dias, outro conceituado árbitro português, em 2001, e um australiano, no passado ano de 2005. Uma prova de que o sector da arbitragem está bem e recomenda-se, no ténis português, contrariamente ao que se passa com tantos outros sectores, fracamente apoiados e, consequentemente, com poucos casos de sucesso. O jornal O Jogo, na sua edição de hoje, traz uma interessante reportagem sobre este árbitro português, residente em França. Merece ser lida.

A outra nota tem a ver com os melhores tenistas juniores no torneio de Wimbledon. Na altura em que referi Nuno Marques como o outro português a ter atingido os quartos-de-final de Wimbledon, para além de Gastão Elias, deixei uma nota relativa a Cunha e Silva, antigo nº1 mundial da categoria, por pensar que este também tivesse atingido igual fase nesse torneio do Grand Slam. No entanto, como não vinha referenciado no jornal O Jogo, deixei passar. Hoje, o referido jornal publicou uma nota, dando conta de que também João Cunha e Silva atingiu os QF em Wimbledon, repondo a verdade dos factos e fazendo justiça para com um dos mais sonantes nomes do ténis luso dás últimas décadas.

 

publicado por Morais às 20:53
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

.Site amigo

Bolamarela

.Visitas

.Online

hit counter
blogs SAPO